Terça-feira, 20 de Dezembro de 2005

NO CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE FERNANDO LOPES-GRAÇA

reg_interno_FLG.JPG

Comemora-se agora o centenário do nascimento do genial compositor e exímio maestro Fernando Lopes-Graça, um dos maiores patrimónios da cultura portuguesa. Que, a par de Vianna da Mota e Freitas Branco, é uma referência maior em genialidade portuguesa, totalmente insólita, na música erudita. Pois que nós, os portugueses, sempre fomos mais dados para as coisas ligeiras e a fugir para o ligueirinho. Sabe-se, música para o portugês e para a portuguesa que se preze, é assim uma raspadinha para bater palminhas (em música emitamos o cow-boy: este é rápido a puxar a pistola; nós – logo que se oiça música ou musiquinha – desatamos a acompanhá-la com o compasso das palminhas).

Já disse aqui, quanto me honrou a amizade pessoal que desfrutei com Lopes-Graça (para os amigos, ele era, apenas, o Graça). O compositor e maestro era uma figura peculiar como pessoa. Homem de cultura “integral”, era, simultaneamente, além de sábio, um homem de empenho colectivo na luta contra o fascismo e um artista e homem solitário. Tudo lhe interessava, tudo lia, tudo ouvia, tudo via, tudo sabia. As circunstâncias levaram-me até ao seu convívio – calhou estar casado com uma senhora que era “mezzo-soprano” no Coro da Academia dos Amadores de Música (que ele dirigia), acompanhando regularmente os seus concertos pelo país fora, e ser amigo pessoal de um casal seu amigo e seu vizinho, em que aboletava amiúde, no prédio onde o maestro era condómino, no seu apartamento solitário, na Parede. Ele habitava o seu espaço privado onde compunha, lia e estudava, e quando se cansava de estar sozinho, descia para o andar do casal vizinho que o apoiava, e aí desopilava em convívio solto e em conversas longas, sempre interessantes e exigentes, em que os temas deslizavam entre a cultura e a política. Muito aprendi com ele, sobretudo sobre cinema (era um cinéfilo compulsivo) e literatura, também sobre leninismo porque Lopes-Graça tinha memorizado e integrado criticamente toda a obra de Vladmir Ilitch (era um militante empenhado do PCP). Depois, quando as pautas de música lhe apelavam ao ouvido, saía sorrateiro direito ao seu refúgio para tratar do seu mister maior.

Lopes-Graça era também um castiço e um homem peculiar. Quando os médicos lhe mandaram reduzir o consumo de tabaco, ele passou a praticar a contenção de partir ao meio os cigarros sem filtro, fumando as metades mas ... de seguida, metade a seguir a metade (dizendo que obedecia á ordem médica, reduzindo o consumo de cigarros para ... metade). Gostava de bom vinho e boa culinária. Era, afinal, um homem simples e amante da qualidade e da arte. Quase sem laços de família e cujos afectos se concentravam nos amigos e nos componentes do Coro que ele dirigia [era com eles que comemorava os seus aniversários e quadras festivas]. Com um feitio complicado, birrento muitas vezes, próprio dos artistas sujeitos ao stress da criatividade e aos delírios da exigência artística [lembro-me de como desancava, sem dó nem piedade, no Zé Mário Branco e em Zeca Afonso (quando ouviu o “Grândola, Vila Morena” pela primeira vez, antes do 25 A, atirou-se ao ar pelo primarismo de preguiça musical que lhe atribuíu), por entender que eles pouco se esforçavam por trabalharem e evoluírem musicalmente; mas, entretanto, era um fanático pela música dos Beatles].

O génio de Lopes-Graça explicará a sua exigência qualitativa que em tudo colocava. Militante comunista desde a sua juventude (que, além do mais, o levou a ser ostracizado pela família), nunca pactuou com o “zdanovismo” que campeou no PCP nas décadas de quarenta e cinquenta. Contra Cunhal e contra António José Saraiva, entre outros próceres do arrocho do conteúdo utilitário em cima da forma, arrostou contra todas as exclusões, incompreensões e suspeitas, sujeitando-se à solidão partidária entre os “seus” (que durou anos a fio e lhe deixou, para sempre, um lastro de amargura), nunca abdicando do primado da qualidade e da liberdade estéticas [aliás, foi Cunhal que, mais tarde, se autocriticou e emendou a mão relativamente à fase - em que Cunhal foi mais “zdanovista” que Zdanov - de imposição partidária de uma corrente estética na arte e destinada a defender, apenas e explicitamente, as “causas do povo”, tentando fundir arte e propaganda].

Finalmente, neste testemunho de recordação e enorme saudade pelo Mestre, refiro que o aspecto mais curioso e mais paradoxal da minha longa amizade e convívio com Lopes-Graça, é que, com ele, eu estava incapacitado de falar sobre música (sobre isso, só o ouvia a ele e às suas obras). Porque, entre os muitos talentos em que sou um zero, a expressão pela música é o meu zero maior (embora me julgue de ouvido atento e exigente). [Para que se compreenda a minha azelhice na expressão musical, digo que estou proibido pela família de cantar sequer o “Parabéns a Você” quando, a um dos nossos, calha aniversário e chega o bolo com as velinhas (desafino tanto que, se tentar cantar, consigo deafinar todos os outros) e, quando chega o momento da cantoria, os outros cantam, eu mexo os lábios, sem permitir que saía pinga de som, desforrando-me a bater palmas com força ritmada quando o aniversariante sopra nas velas. Porque a bater palmas, como bom e genuíno português, consigo não desafinar.]
publicado por João Tunes às 18:18
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De legendas a 21 de Dezembro de 2005 às 01:10
Gostei da sua leitura do Homem.
E boa pausa (mística ou não).


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. HONRA A GARY COOPER

. Efeméride ao cair do pano

. E VÃO DOIS, QUE DOIS

. AFINAL…

. DESABAFO MASOQUISTA

. Bom fim-de-semana

. CHE E AS MAMAS DA VIZINHA

. AINDA (SEMPRE) MÁRIO PINT...

. CAMILA VAI PARA A TROPA

.arquivos

. Setembro 2007

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds