Terça-feira, 3 de Janeiro de 2006

APELO PELA CIDADANIA

m_a.JPG

Os Partidos, esse bem necessário e fundamental na democracia, desempenham mesmo nas eleições presidenciais, que teoricamente são candidaturas unipessoais e independentes, um poderoso poder de suporte no cumprimento das formalidades logísticas, de apoio e de financiamento imprescindíveis á efectiva igualdade de oportunidade de sujeitar-se à escolha pelo eleitorado.

Um candidato suprapartidário, mesmo recolhendo apoios transversais nos vários eleitorados partidários, está, à partida, diminuído na capacidade do apoio das “máquinas partidárias” no cumprimento das necessidades e formalidades eleitorais, em todas as suas fases.

Este é o principal mérito e handicap da candidatura de Manuel Alegre, além dos seus méritos e defeitos próprios como homem, como candidato e como político – onde outros metem a máquina partidária a funcionar, ele tem de recorrer à congregação expontânea e voluntarista de quereres. Assim, Manuel Alegre depende mais, para o seu sucesso, dos seus apoiantes que os candidatos dos partidos. E um candidato rebelde só conta com a energia rebelde (não conformista) de quem não quer ver a política estagnar no pântano do jogo das escolhas pré-estabelecidas nos quartéis-generais partidários.

Foi assim com a recolha de assinaturas na propositura da sua candidatura. É assim no suporte das despesas da campanha, tem de ser assim no apoio ao muito que falta fazer para que a voz do candidato chegue aos cidadãos e o acto eleitoral decorra com isenção e normalidade. Porque apoiar Alegre à Presidência não é delegável noutros, muito menos em “máquinas”. Tem de ser obra de cada um e de todos os seus apoiantes, aqueles que, por livre vontade, se libertaram das tutelas dos mandos partidários.

Uma tarefa importante e urgente é a designação de delegados da candidatura de Manuel Alegre nas mesas de voto a funcionarem em 22 de Janeiro e na segunda volta. Para os candidatos partidários, esta designação inscreve-se na sua rotina eleitoral - lá estarão os “do costume”. No caso da candidatura de Manuel Alegre, têm de ser os seus apoiantes, de uma forma voluntária e “amadora”, que, como no resto, têm de suprir as necessidades. Em que a energia da vontade de cidadania compensa e ultrapassa a energia da rotina do tarefismo partidário.

Pela primeira vez, vou cumprir em 22 de Janeiro e na segunda volta, disponível e alegre, esta tão simples como importante missão de ser delegado de uma candidatura numa mesa de voto. Venham daí muitos mais, porque a cidadania só o é se por todos for partilhada. No caso, em cada freguesia, os disponíveis devem contactar o delegado da candidatura (em alternativa, inscreverem-se como apoiantes aqui e aguardarem contacto).
publicado por João Tunes às 23:54
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. HONRA A GARY COOPER

. Efeméride ao cair do pano

. E VÃO DOIS, QUE DOIS

. AFINAL…

. DESABAFO MASOQUISTA

. Bom fim-de-semana

. CHE E AS MAMAS DA VIZINHA

. AINDA (SEMPRE) MÁRIO PINT...

. CAMILA VAI PARA A TROPA

.arquivos

. Setembro 2007

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds