Quarta-feira, 1 de Fevereiro de 2006

EM HONRA DE PAMPLINAS

buster_keaton[1].jpg

Gosto de me meter com o JG. Primeiro, porque tenho uma veneração especial pelo seu blogue (já o disse e repito: o seu blogue vale por mil Museus, centenas de Bibliotecas e umas tantas Faculdades). Depois, porque sei (saberei?) que não me leva a mal, de certeza por não me levar a sério e eu adoro alargar-me, abusando não poucas vezes, quando alguém me concede a benesse de me considerar inimputável.

O JG usa e glosa as efemérides, desde as mais evidentes até às mais esquecidas, sobretudo as insuspeitas. Assim, com ele, a memória, a nossa memória, tem âncoras reforçadas, ajudando-nos a perceber que, nada se sabendo sobre o futuro, o passado é garantidamente infinito.

Hoje, o JG lembrou-nos que Buster Keaton, Joseph Frank Keaton Jr, conhecido entre nós como o ”Pamplinas”, faleceu em 1 de Fevereiro de 1966.

O que ele foi dizer, dizendo-nos, dizendo-me. Bolas, o Buster Keaton! Um meu monstro sagrado, um meu ídolo. E se fosse pelo clubismo, diria até que quem nunca conseguiu apreciar Buster Keaton, adora Charlot (pior: Totó ou Cantinflas ou Fernandel ou Vasco Santana). Assim, mal parecido, lembrando uma anedota sobre jogos de cartas e que diz que quem não consegue aprender a jogar “bridge”, joga “king”.

Encantado fiquei com a lembrança mais que oportuna. Mas, depois, eis senão, quando, e de repente, o JG, metendo o jargão do estereótipo, diz esta enormidade mil vezes repetida (e se isso fosse mérito, pelo elogio da repetição, Goebbels tinha direito a nome em Avenida principal) sobre Buster Keaton: “ o cómico que nunca se ria”!

Eu não sei qual o conceito aceite pelo JG sobre o riso. Ou se considera o riso como coisa séria ou risível. E onde se situa o riso no ser humano? Na contracção facial, no som emitido? Ou o riso é, antes e sobretudo, um abrir de alma, mostrando-nos o risível, implícito ou explícito, da sucessão de absurdos de que a vida não é mais que uma soma mais ou menos completa, mas sempre contraditória?

Fica o protesto. Buster Keaton terá sido dos actores (entre os geniais) que mais se riu. Dele, de nós, da vida, das situações. Infelizmente, por tanto termos desaprendido desta forma de viver o estar é que o mundo está como está – sermos sérios, sobretudo quando nos rimos, não merecendo ser levados a sério quando sérios queremos ser e muito menos quando nos rimos. Querem exemplo? Está aqui, neste post.
publicado por João Tunes às 23:37
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Joo a 3 de Fevereiro de 2006 às 13:19
Coisa nada simples essa do riso...


De Ana a 2 de Fevereiro de 2006 às 14:56
Uma questão bastante filosófica, complexa, essa do riso.
Aprecio o riso apenas por um prisma: o do apetece-me, faz-me bem, é bom remédio, relativiza as coisas, saiu porque não o contive. Rio de mim e, por vezes, dos outros e de situações da vida.
Gosto de rir e de ver rir. O único riso de que não gosto é o escarninho.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. HONRA A GARY COOPER

. Efeméride ao cair do pano

. E VÃO DOIS, QUE DOIS

. AFINAL…

. DESABAFO MASOQUISTA

. Bom fim-de-semana

. CHE E AS MAMAS DA VIZINHA

. AINDA (SEMPRE) MÁRIO PINT...

. CAMILA VAI PARA A TROPA

.arquivos

. Setembro 2007

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds