Quinta-feira, 2 de Fevereiro de 2006

DOIS PARÁGRAFOS QUE DIZEM

reun_1.bmp

”Não foi Alegre que criou ou estimulou a situação que deu origem ao mais estranho fenómeno das presidenciais, sem precedentes equiparáveis nos últimos trinta anos de democracia. Ele limitou-se a estar presente numa encruzilhada onde um milhão e cem mil portugueses entenderam desobedecer à arregimentação partidária do voto dos cidadãos. Goste-se ou não disso, não é em todo o caso possível reduzir tal fenómeno a uma crispação populista de contornos democráticos duvidosos que, definitivamente, não existiu. O que é preciso é perceber porque é que isso aconteceu. E sem perceber isso não se encontrarão respostas para a crise do sistema partidário que, aliás, também explica o sucesso da estratégia da candidatura de Cavaco Silva.”
(…)
”Não há democracia sem partidos, mas esquece-se muitas vezes que pode haver partidos sem democracia. Estaremos ainda longe disso, felizmente, mas aproximamo-nos já de uma democracia representativa virtual. Os partidos deixam esgotar o seu papel de mediação política entre a sociedade e o Estado para se representarem apenas a si próprios, às suas nomenclaturas, aos seus aparelhos e aos seus interesses clientelares, fechados no interior de uma crosta gelada. Cabe aos cidadãos quebrar essa crosta do enclausuramento e autismo partidários para revitalizar a mediação democrática.”

(Vicente Jorge Silva, no DN)
publicado por João Tunes às 14:53
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. HONRA A GARY COOPER

. Efeméride ao cair do pano

. E VÃO DOIS, QUE DOIS

. AFINAL…

. DESABAFO MASOQUISTA

. Bom fim-de-semana

. CHE E AS MAMAS DA VIZINHA

. AINDA (SEMPRE) MÁRIO PINT...

. CAMILA VAI PARA A TROPA

.arquivos

. Setembro 2007

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds