Terça-feira, 7 de Fevereiro de 2006

ESTÃO A FICAR PARECIDOS, ESTÃO

f_mal.JPG

Quando se começa a entrar no capítulo da definição dos “limites” da liberdade de expressão, pergunto-me se estes católicos bem instalados nas suas supremacias religiosas metidas num Estado Laico, ao fim e ao cabo, não estão a mostrar uma espécie de nostalgia pela Inquisição. Nessa época, sim, eram bem parecidos com estes. E também usavam fogueiras. E sobretudo queimaram vivos “licenciosos” e “licenciosas”, segundo o grande e largo critério do Santo Ofício. E será que se querem parecer, agora, num mesmo tempo histórico?

Leia-se Freitas:

”«A liberdade de expressão, como aliás todas as liberdades, tem como principal limite o dever de respeitar as liberdades e direitos dos outros», entre os quais a liberdade religiosa, «que compreende o direito de ter ou não ter religião e, tendo religião, o direito de ver respeitados os símbolos fundamentais da religião que se professa», lê-se num comunicado assinado por Freitas do Amaral.”
”O ministro lembra que, enquanto para os católicos esses símbolos são as figuras de Cristo e da sua Mãe, a Virgem Maria, para os muçulmanos um dos principais símbolos é a figura do Profeta Maomé.”
”«Todos os que professam essas religiões têm direito a que tais símbolos e figuras sejam respeitados. A liberdade sem limites não é liberdade, mas licenciosidade», frisa.”


Freitas que, pelo lido, acumula o Ministério dos Negócios Estrangeiros com um tal Ministério Oculto das Teologias e suas Conexões. Uma suma autoridade, portanto.
publicado por João Tunes às 15:44
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De ruy a 7 de Fevereiro de 2006 às 23:09
todos diferentes todos iguais.


De Joo a 7 de Fevereiro de 2006 às 23:05
Ó Marco, conta sempre comigo para te prolongar o tempo de antena. Tu mereces. Abraço.


De Joo a 7 de Fevereiro de 2006 às 23:02
Este último comentário é uma perfeita parvoíce pela má fé. Não dar liberdade de expressão ao Freitas? Ele usou a liberdade de expressão através de uma "nota oficial" do governo. E eu ainda lhe dei honras de transcrição. Mas como Freitas não é meu profeta, e mesmo que o fosse, não me coibi de deixar de insinuar, isso sim, que ele, segundo os seus próprios critérios, está a ser demasiado "licencioso" no uso das perrogativas ministeriais mas sem ameaçar queimar-lhe o Ministério. Imagina isto possível no Irão ou em Cuba? Nem eu.


De maria ngela Pires a 7 de Fevereiro de 2006 às 22:42
Porque é que não dá a Freitas do Amaral o direito de liberdade de expressão e insinua que ele não tem nenhuma autoridade ?!
Pois é ! Sem comentários.


De Marco Oliveira a 7 de Fevereiro de 2006 às 17:16
João: aqui fica a minha provocaçãozinha. O individuo referido nesta notícia "Reino Unido: Imã considerado culpado de incitar ódio racial" (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=213907) (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=213907)) não abusou da liberdade de expressão? Ou será que quem defende a liberdade de expressão para publicar as caricaturas de Maomé também se deve indignar com a falta de liberdade de expressão do individuo referido nesta notícia?
Um abraço.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. HONRA A GARY COOPER

. Efeméride ao cair do pano

. E VÃO DOIS, QUE DOIS

. AFINAL…

. DESABAFO MASOQUISTA

. Bom fim-de-semana

. CHE E AS MAMAS DA VIZINHA

. AINDA (SEMPRE) MÁRIO PINT...

. CAMILA VAI PARA A TROPA

.arquivos

. Setembro 2007

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds