Sábado, 4 de Março de 2006

AINDA (SEMPRE) MÁRIO PINTO DE ANDRADE

mario_p_andrade06[1].jpg

Voltando à figura singular e marcante da gesta de africanização do espaço colonial de usurpação portuguesa, devolvendo África aos africanos, por Mário de Andrade e que aqui tratei (*), a não perder a espantosa nota de encontro e de biografia elaborada por Fernando Correia da Silva e transcrita no blogue do meu amigo e académico guineense Leopoldo Amado.

(*) Lembro um parágrafo:
“Só lendo e entendendo o labor de formulação política de Mário de Andrade, é possível procurar perceber como foi possível que, do seio de sociedades coloniais primarizadas, sem elites minimamente significativas entre os nativos, elaborando o florescimento prolixo e contraditório do nacionalismo africano e juntando-lhe (depois libertando-se do seu constrangimento) a experiência do antifascismo metropolitano, com a sua matriz marxista, foi possível combater e vencer o colonialismo europeu mais persistente e mais resistente, mais fechado e mais serôdio (e que, ao resistir durante treze anos pela guerra sem quartel, acabou por dar a outra componente de identidade, estruturação e consistência à causa anticolonial, militarizando-o também).”
publicado por João Tunes às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. HONRA A GARY COOPER

. Efeméride ao cair do pano

. E VÃO DOIS, QUE DOIS

. AFINAL…

. DESABAFO MASOQUISTA

. Bom fim-de-semana

. CHE E AS MAMAS DA VIZINHA

. AINDA (SEMPRE) MÁRIO PINT...

. CAMILA VAI PARA A TROPA

.arquivos

. Setembro 2007

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds