Segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2006

POR UM RETRATO-SÍMBOLO EM BELÉM

del.JPG

A 13 de Fevereiro de 1965, a PIDE assassinou um Presidente da República eleito pelos portugueses. É bom que não se esqueça. Pela mesma convicção democrática com que eu, considerando-me de esquerda, vou - respeitosamente e sem deixar de dormir - gramar o mandato de um Presidente que a Direita, agora maioritária, escolheu.

Em 1958 e 1965, não era assim. Mudavam-se votos, vontades e vidas como o diabo esfregava o olho a Salazar e aos polícias. Quem ganhava, perdia. Quem perdia, ganhava. Só ganhava quem ganhava se a maioria comesse a palha do fascismo. Não sou pela vingança histórica, isso seria mera estupidez, mas, passado o “susto cunhal”, esta direita, sobretudo na hora de entrar triunfante em Belém, devia, no mínimo, cumprimentar a galhardia da esquerda por poder gozar as delícias da mudança de tempo relativamente àquele (48 anos!) em que a direita absolutizou este País e que, entre tantas patifarias, impediu a tomada de posse de Delgado e depois o assassinou como se o Presidente da República fosse um cão tinhoso (*).

Nenhum dos havidos e votados Presidentes da República, todos de esquerda (se a boa vontade política do conceito de esquerda ampla incluir o general filo-peronista de patilhas compridas) teve a nobreza mínima e corajosa, de meter o retrato de Humberto Delgado na galeria dos nossos Presidentes da República, enquanto penduraram no Palácio molduras com as caras de outros que não foram eleitos (Carmona, Craveiro Lopes, Tomás, Spínola e Costa Gomes). Talvez o Presidente Cavaco se redima e nos redima, num gesto nobre e aberto que reconcilie, pela humildade perante a vontade popular, reconciliando esquerda e direita no sentir democrático e metendo fim à querela que nasceu em Braga com uma cavalgada de um general e suas tropas num certo e passado 28 de Maio. Estou a sonhar? Pois se calhar até já sonho com uma direita nobre e democrática, sei lá! Descansem, tarda nada vou ao médico.

(*) – É útil que se leia o livrinho “Uma brasileira contra Salazar”, Ed. Livros Horizonte, para se perceber, e partilhar, a justa homenagem devida a Arajaryr Campos, a brasileira nobre que secretariou e acompanhou Delgado até ao fim e que partilhou com o General Sem Medo a mesma morte miserável sob os tiros dos esbirros da Pide.
publicado por João Tunes às 23:36
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Joo a 14 de Fevereiro de 2006 às 15:15
Se eu não sonhar entro na tribo dos descrentes. Não. Porque o mais fácil na vida, impostos à parte, é descrer.


De ana a 14 de Fevereiro de 2006 às 11:55
Está mesmo a sonhar, João.
Acredita nisso ?
Por minha parte, sou tão descrente da política e de tantos dos nossos políticos...
Mas sonhar também não paga imposto.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. HONRA A GARY COOPER

. Efeméride ao cair do pano

. E VÃO DOIS, QUE DOIS

. AFINAL…

. DESABAFO MASOQUISTA

. Bom fim-de-semana

. CHE E AS MAMAS DA VIZINHA

. AINDA (SEMPRE) MÁRIO PINT...

. CAMILA VAI PARA A TROPA

.arquivos

. Setembro 2007

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds