Sexta-feira, 17 de Fevereiro de 2006

SEXO E GUERRA

bajuda.jpg

Com a devida vénia, transcrevo:

“Claro que não deve haver tabus. Isso não, um bom tabu vale menos que um mau “cartoon”, dizendo assim e a aproveitar a oportunidade em que o Maomé não nos estará a ouvir, entretido que ele deve estar com os preparativos da tomada de posse pelo Hamas do governo da Palestina. E se não deve haver tabus para narrar o nosso erotismo guerreiro, também ele, tabu, não é chamado para quando cada qual deve dar a sua opinião, seja ela igual, diferente ou mais que sim ou que não. E eu uso pouco a abstenção e menos ainda o voto em branco.”

”Todas as nossas históricas eróticas são giras (o que fodemos, ó malta!, só se perderam as punhetas com a imaginação a vaguear na metrópole ou nas putas clarinhas de Bissau!) e devem ser contadas. Um gajo, para mais jovem, não fornica com uma G3, menos ainda com uma “basuka” e nem pensar com um obus 14, pois claro, para mais era proibido enrabar o comandante mesmo que ele merecesse e um gajo quando quente pede coisa quente, não vai enfiar o pirilau num sorvete de baunilha e morango que, para mais, no mato não havia, e chocolate quente, isso era um fartote.”

”Acho pois muito bem e que se dê o máximo de fogo à peça. Mas, se me permitem, tenho para mim que todo o nosso historial folclórico-erótico, se bem deitado cá para fora, devendo-o ser, também demonstra uma coisa - foi mas foi o tanas termos estado lá a defender Portugal do Minho a Timor. A nossa braguilha, ou a memória da nossa braguilha (e da braguilha de cada um, só o próprio e o padre a quem nos confessamos, sabem bem a missa), faz esse mito em cacos. Só não fodemos o que não se pôs a jeito. Ou a “psico” não permitia. E, sejamos francos, fodemos na Guiné como não fodíamos em Lisboa, no Porto, no Minho, em Trás-os-Montes ou no Alentejo. Olhávamos uma “bajuda” da Guiné com o mesmo sentido de rapina de posse sexual que para a filha da nossa vizinha metropolitana do rés-do-chão ou para a nossa própria namorada? Ora! E até julgo, honra nos seja feita, que fodemos “bajudas” e “ex-bajudas”, fodendo bem, mas com mais decência que o limite da indecência que nos era permitida como exército ocupante e ao serviço de um colonialismo serôdio.”

”É que o “Eros” não nos deve matar a lide com o “Ethos”. Acho que devemos isso, pelo menos, para com as actuais “bajudas” de uma Guiné livre e independente. Para mais, elas, as “bajudas”, muitas foram as comidas mas, ao cabo e ao resto, lixaram-nos bem, comeram-nos depois elas e por junto em Guileje e no resto, sendo certo que após tantas batalhas ganhas entre as mamas e as pernas delas, mais outras com fogacho de metralha, acabámos por perder a guerra (a outra, a maior, a colonial). Ou seja, tanta pila tesa tivemos e não tivemos pilas para os “Strellas” quando eles começaram a assobiar no céu da Guiné, transformando-o em “área libertada”.”

”Resumindo: ganhámos na tusa pequena, perdemos na tusa maior

(texto publicado aqui)
publicado por João Tunes às 23:36
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. HONRA A GARY COOPER

. Efeméride ao cair do pano

. E VÃO DOIS, QUE DOIS

. AFINAL…

. DESABAFO MASOQUISTA

. Bom fim-de-semana

. CHE E AS MAMAS DA VIZINHA

. AINDA (SEMPRE) MÁRIO PINT...

. CAMILA VAI PARA A TROPA

.arquivos

. Setembro 2007

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds