Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2006

VENENO E CONTRA-VENENO

corv.JPG

1. Ontem mesmo, aconteceu-me o que já não imaginava. Um “retornado” do meu bairro, daqueles que vieram de trambolhão de Moçambique por causa da colonização descolonizada, de que me sobravam no ouvido os falares altos da sua tertúlia com comparsas de azedumes e pragas que normalmente terminam na constatação partilhada de que “este país só de endireita com um ou dois salazares” ou “ainda diziam mal da PIDE…”, ao contrário do habitual, estava sozinho lá num canto. E eu no meu. Numa pausa em que descansei o livro que agora me ocupa, o sujeito resolve, pela primeira vez, meter-me fala: “- já reparei que o senhor gosta de ler, tome lá, leia isto que é ligeiro” e passa-me uma meia dúzia de folhas dobradas que aceito por delicadeza e que desfolhadas e vistas em diagonal, eram afinal um miserável apanhado daquelas anedotas velhas e relhas com ranço racista sobre Samora e a Frelimo. Aguentei uns minutos para não destrambelhar, ai o sacana do “stress”, aguenta, pensando que raio de fel este em que, passadas tantas décadas, ainda bolsa e se quer propagar e aliciar. E perguntando-me se, tendo feito a guerra por eles e para eles, aos colonos depois descolonizados, ainda lhes teria dívidas por saldar. Meti travões a fundo. Limitei-me a mostrar ao sujeito que vi de que se tratava mas que não lhe queria ler a sua cartilha, devolvendo-a com a máxima e possível delicadeza “- Obrigado pela atenção, mas dispenso a leitura, não sou reaça.”. E o “retornado moçambicano” ficou embasbacado, a olhar-me com ar de não perceber. Ou não querer. Ou nem sequer disso ser capaz.

2. É fácil denegrir. Como em tempos fizeram a Samora. Mas, de Samora, hoje não falo, porque me vem à lembrança as folhas de papel com vinagre do “retornado moçambicano” meu vizinho. Escolho falar de um “militar de Abril” (teve papel decisivo no levantamento na Região Norte e comandou as forças que ocuparam o Forte de Peniche), também muito maltratado, objecto de ódios mais que mil no turbilhão da revolução, sabe-se lá se sanados. Trata-se de um Oficial de origem transmontana, trazendo no peito a Cruz de Guerra de 3ª Classe, o grau de Cavaleiro da Ordem Militar de Aviz e a Medalha de Prata de Comportamento Exemplar. Chama-se Eurico Corvacho (foto acima). Fiquei hoje a saber que está muito doente. E li, recompondo-me por continuar a haver homens com honra, dois depoimentos sobre ele que me reconciliam com o tempo e a memória, devolvendo a honra aos honrados - este e mais este.
publicado por João Tunes às 01:02
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De riquita a 24 de Fevereiro de 2006 às 16:10
Ora João, não me envergonhe...Fique à-vontade, porém, não espere encontrar a qualidade que eu encontro aqui...


De Joo a 24 de Fevereiro de 2006 às 12:43
Vasculhe e leia o que lhe aprouver como se estivesse em causa sua. Como ali faço no seu blogue. Como aqui veio parar, não imagino como, talvez tenha sido a Fáfá de Belem e o seu "vermelho, vermelhão", talvez... Quem sabe. Abraço.


De riquita a 24 de Fevereiro de 2006 às 01:36
João, cheguei cá já nem sei como e não queria deixar de lhe dar conta do prazer que me tem dado ler o que escreve. Se não se importa, vou vasculhando os arquivos, tanto quanto o tempo me permitir.
Um abraço, RQT


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. NOVO POISO

. HONRA A GARY COOPER

. Efeméride ao cair do pano

. E VÃO DOIS, QUE DOIS

. AFINAL…

. DESABAFO MASOQUISTA

. Bom fim-de-semana

. CHE E AS MAMAS DA VIZINHA

. AINDA (SEMPRE) MÁRIO PINT...

. CAMILA VAI PARA A TROPA

.arquivos

. Setembro 2007

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds